Minas Gerais abre dados sobre Covid-19 e dá salto em índice de transparência

Este conteúdo está liberado para reprodução, desde que creditados os autores e o projeto Coronavirus-MG.com.br. Você também pode inserir os gráficos em seu site por meio do código embed ("incorporar"). Os dados são do Índice de Transparência Covid-19 (Open Knowledge Foundation Brasil).

Reprodução/Open Knowledge Brasil

Ranking é publicado há cinco semanas e chegou ter MG na 17ª posição



Cristiano Martins e Ígor Passarini

Do Coronavirus-MG.com.br

Publicado em 30/04/2020


Passados 52 dias desde o primeiro caso de Covid-19 confirmado oficialmente em Minas Gerais, o governo começou a disponibilizar microdados em formato aberto sobre a doença. A divulgação teve início na quarta-feira (29), em resposta a uma antiga demanda do Coronavirus-MG.com.br, reforçada pela criação do Índice de Transparência da Open Knowledge Brasil (OKBR).


A abertura da base de dados impulsionou o estado no ranking nacional. Segundo a metodologia criada pela organização, Minas apresentava um nível médio de transparência ao longo das quatro primeiras semanas de avaliação, com pontuações entre 48 e 52 (de 0 a 100), e chegou a ocupar a 17ª colocação entre as entidades federativas. No relatório mais recente, publicado nesta quinta-feira (30), o estado pulou para o nível alto, com 88 pontos.


O Índice de Transparência da Covid-19 avalia a qualidade das informações fornecidas por União, Distrito Federal e estados em seus canais oficiais de comunicação. No caso mineiro, o balanço informa que, mesmo com o salto, ainda há melhorias pendentes na divulgação de detalhes sobre testes disponíveis e pacientes recuperados, localização geográfica e doenças preexistentes entre as pessoas contagiadas, por exemplo.


Além disso, apesar de ter sido contabilizada como um ponto positivo no levantamento, a informação sobre a ocupação dos leitos de UTI na rede de saúde ainda não é oferecida de maneira ativa, regular e aberta, mas sim mediante solicitações da imprensa ou em casos extraordinários como nesta edição especial do boletim epidemiológico (26/4).


O apelo pela abertura dos dados motivou a criação do Coronavirus-MG.com.br. Desde o dia 8 de março, o projeto monitora os casos em Minas e disponibiliza uma planilha para consulta e download, detalhada por data e município. Iniciativas como o Brasil.io, que mantém um dataset atualizado desde 20 de março com números de todos os estados, e o próprio relatório da Open Knowledge Brasil, entre outras, vêm atuando também neste sentido em âmbito nacional.


A disponibilização dos dados em formato aberto pode soar como um mero detalhe técnico, mas é fundamental para análises mais rápidas e precisas sobre a pandemia. "Para superarmos este momento tão desafiador para gestores públicos e população, acreditamos que nenhuma ferramenta é mais poderosa que a colaboração, e a informação é parte fundamental desse processo", afirma Fernanda Campagnucci, diretora-executiva da OKBR.

De acordo com o relatório, apenas um terço dos estados disponibiliza dados detalhados sobre a Covid-19. O texto destaca a divulgação de todas as notificações em Minas Gerais (casos suspeitos, confirmados e descartados), somando até este momento mais de 90 mil linhas de registros. "O ideal seria uma junção dos dois: a completude dos dados do Espírito Santo com a abrangência dos dados de Minas", avalia Fernanda.


Ao comunicar a disponibilização dos dados abertos, o governo de Minas Gerais informou ao Coronavirus-MG.com.br que "vem ampliando suas ações de transparência, mesmo com todo cenário de excepcionalidade, complexidade, quantidade de municípios e volume de dados de um Estado como o nosso, com foco no cidadão e assertividade das ações".


Antes dos casos notificados por cidade, o estado já havia publicado conjuntos de informações em seu Portal de Dados Abertos sobre os óbitos confirmados e as contratações para reforçar o enfrentamento à pandemia. "Estamos atentos a qualquer melhoria possível", acrescenta a nota.



Evolução e ajustes


A partir de agora, os dados sobre a Covid-19 em Minas Gerais passam a ser fornecidos também numa planilha em formato .csv, ampliando as possibilidades de consulta e documentação por gestores, pesquisadores, jornalistas e sociedade como um todo.


"A análise de dados é uma ferramenta poderosa para embasar tomadas de decisões em qualquer processo de gestão. Em uma crise de saúde pública sem precedentes como esta pandemia, obter informação detalhada e atualizada é uma questão de sobrevivência. É também por meio de dados confiáveis e de qualidade que os governos poderão decidir o momento correto de reverter medidas de isolamento", pondera Álvaro Justen, criador do Brasil.io.


Uma das responsáveis por catalogar os dados de Minas neste projeto nacional, Thamiris Dornelas relata dificuldades no processo de coleta e checagem manual dos números. "Quando iniciamos esse trabalho, os boletins registravam 50, 60 casos, distribuídos em menos de 15 municípios. No boletim de hoje, já temos cerca de 1.800 casos em quase 170 cidades", explica.


"Além disso, têm sido comuns correções no número de casos em vários municípios sem o devido esclarecimento dos motivos que levaram à alteração", acrecenta ela. Nesta quinta-feira (30), havia divergências em números de cidades importantes como Betim e Contagem quando comparados os dados da planilha com os do informe epidemiológico.


Segundo o governo, o sistema continuará sendo constantemente melhorado. "Como a plataforma foi atualizada hoje, ainda pode apresentar alguma instabilidade", informou a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde.

CORONAVIRUS-MG.COM.BR