Últimas cidades sem Covid somam duas mortes por SRAG e 47 casos suspeitos não testados

O conteúdo desta página está liberado para reprodução, sob as seguintes condições:

- Todas as reproduções ou citações devem creditar os autores e o Coronavirus-MG.com.br

- Todas as reproduções ou citações devem incluir o link para esta publicação original

Prefeitura/Divulgação

Cedro do Abaeté, na região Central, registrou duas mortes por SRAG não específica


Cristiano Martins

Do Coronavirus-MG.com.br

Publicado em 06/11/2020



As cidades de Cedro do Abaeté, Pedro Teixeira e São Thomé das Letras, em Minas Gerais, são as únicas do país sem nenhum caso de Covid-19 confirmado até o momento pelas Secretarias Estaduais de Saúde, de acordo com o monitoramento nacional realizado pelo site Lagom Data. Dados analisados pelo Coronavirus-MG.com.br indicam, porém, que a pandemia pode já ter chegado a esses últimos rincões do Brasil.


No caso de São Thomé das Letras, a própria prefeitura já anunciou um primeiro morador contaminado na cidade, no último dia 5, e aguarda apenas a confirmação pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Além disso, segundo os sistemas de vigilância epidemiológica do Ministério da Saúde, os três pequenos municípios do interior mineiro já contabilizavam juntos 116 habitantes atendidos com sintomas suspeitos, entre graves e leves.


O mais curioso é que uma dessas pessoas testou positivo para o novo vírus, conforme os detalhes da notificação. Trata-se de uma mulher de 40 anos, moradora de Pedro Teixeira, acometida por uma Síndrome Gripal (SG) no dia 17 de agosto e liberada apenas um mês depois. A SES-MG foi procurada, mas não explicou a ausência do caso nos boletins epidemiológicos.


Os dados do ministério revelam ainda duas mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) não especificada, uma em junho e a outra em agosto, ambas em Cedro do Abaeté. Essa definição técnica é utilizada em caso de exame inconclusivo quanto ao vírus, seja por falha na coleta do material ou no processamento do teste laboratorial. As duas vítimas eram idosas: um homem de 78 anos sem comorbidades e uma mulher de 84 com problemas cardíacos.


'Burocracia'


São Thomé das Letras deve entrar em breve na lista oficial da SES-MG. A prefeitura anunciou no último dia 5 o primeiro caso da doença na cidade, mas ainda não houve confirmação por parte da secretaria. Por protocolo, o órgão estadual aguarda a inserção dos dados nos sistemas oficiais do SUS para revisar os casos e acrescentá-los no boletim epidemiológico, e por isso costuma haver atrasos em relação aos informes municipais.


Testes


Dos 108 pacientes atendidos com sintomas leves (SG) nos três municípios, apenas 61 já haviam sido efetivamente submetidos a exames, de acordo com os dados do Ministério da Saúde.


Um dos testes foi inconclusivo, outro deu positivo e 59 descartaram a presença do novo vírus. Além destes, cinco outras amostras estavam coletadas e 11 haviam sido solicitadas até a última atualização.


Já entre os oito casos graves, cinco foram classificados como “SRAG não específica” e os outros três não foram testados ou ao menos não estavam registrados no sistema, já que os internados com sintomas graves integram o grupo prioritário para a realização dos testes.


Cautela


Em sua última entrevista coletiva, o secretário de saúde Carlos Eduardo Amaral mostrou tranquilidade em relação aos números da pandemia em Minas Gerais.


“Estamos vendo uma tendência de queda tanto nos casos quanto nos óbitos. A taxa de ocupação de leitos também está estável e com tendência de redução. É uma ocupação que está inferior a 60% há dez dias e vem se mantendo assim. E vemos que a participação da Covid-19 nessa ocupação representa 20% dos leitos. É uma situação equilibrada”, declarou.


Por outro lado, as macrorregiões Leste e Vale do Aço regrediram para a "onda amarela" do programa Minas Consciente após aumento nos índices. Dez das 14 áreas estão atualmente na fase verde, a mais flexível.


“No geral, os números estão melhorando, mas, infelizmente, tivemos duas regressões nesta semana. Duas regiões que estavam na onda verde precisarão retornar para a onda amarela porque a situação piorou. Fica muito claro que é necessário continuarmos com todos os cuidados. Estamos vendo, inclusive, em países em que a pandemia estava praticamente eliminada, o retorno de uma segunda onda. Fica o meu alerta de que não podemos baixar a guarda”, alertou o governador Romeu Zema.



CORONAVIRUS-MG.COM.BR